REGRESSÃO E MEMÓRIA

A terapia da regressão baseia-se num princípio - aceite sem grande controvérsia na psicologia, de que a maioria dos problemas psicológicos e psicossomáticos tem as suas causas no passado.
Descobrir, reviver e compreender essas causas pode produzir uma completa libertação dos sintomas ou pelo menos, melhoras significativas e duradouras.

Muitos problemas do passado são causados por experiências traumáticas que podem ter sido esquecidas pela pessoa, mas que ficam no seu inconsciente. Portanto, uma experiência esquecida não fica apagada e se tiver uma carga emocional grande como têm as situações traumáticas, então, essas lembranças continuarão a tentar emergir à consciência sob a forma de sintomas psíquicos ou psicossomáticos.

Assim, as experiências passadas que não foram compreendidas e assimiladas, ficam reprimidas no inconsciente e podem ser reativadas, a qualquer momento, por experiências semelhantes que as reavivam, provocando o surgimento de sintomas psicológicos ou psicossomáticos.

 

Por vezes, a pessoa é capaz de identificar facilmente o momento do passado que está na origem dos sintomas do presente, contudo, a compreensão meramente intelectual não é suficiente para a resolução do problema, é necessário uma compreensão mais profunda e emocional que conduza à completa libertação das emoções relacionadas com essa recordação.

 

Os estados modificados de consciência, como o transe, facilitam a recordação, permitindo aceder muito mais facilmente aos conteúdos do nosso inconsciente onde se guardam todas as nossas experiências, quer sejam de um passado recente ou remoto.

Muitas pessoas quando lhes é sugerido sob hipnose para recordarem e reviverem as experiências que estão na base dos seus problemas, relatam acontecimentos noutro tempo e noutro lugar que não aquele que vivem atualmente. Estas experiências são classificadas por algumas pessoas como "memórias de vidas passadas" e por outros como "imagens simbólicas" da mente, metáforas do inconsciente que as ajudam a compreender e ultrapassar muitos aspetos problemáticos da sua vida atual.

Contudo, as crenças prévias de cada pessoa não são de modo algum importantes para se submeterem ou não a uma terapia de regressão. Qualquer terapia psicológica, independentemente das metodologias utilizadas, deve ser realizada no respeito por cada paciente, pelo seu ser único, com total neutralidade e ausência de juízos de valor face ao paciente.

 

É apenas necessário que a pessoa esteja disposta a deixar o processo decorrer sabendo que, independentemente de considerar essas experiências como reais ou simbólicas, elas permitem um enorme ganho de autoconhecimento e a libertação das emoções inconscientes que estão na base dos sintomas psicológicos ou psicossomáticos do presente.